Conecte-se conosco

Televisão

“Pesadelo na Cozinha” é o que é graças a Erick Jacquin

O “Pesadelo na Cozinha” não é, do ponto de vista estrutural, o mais sofisticado dos programas em exibição. Cada episódio é dividido em sete atos: apresentação do participante, análise do cardápio, visita à cozinha (o momento predileto dos fiscais da vigilância sanitária), serviço supervisionado, dinâmica de grupo, reforma e reinauguração. Se mal conduzido, garante a emoção basilar dos realities de transformação. Se bem conduzido, como costuma ser, entrega o habitual e o extraodinário.

Gravada antes da pandemia, a terceira temporada do “Pesadelo Na Cozinha” é a estrela Michelin de Erick Jacquin na TV. Do bandejão esquecido no Bixiga ao decadente restaurante francês do Jardins, o chef circula entre clientes, funcionários e proprietários de perfis absolutamente díspares sem recorrer às pirotecnias de Gordon Ramsay, que faz um “Kitchen Nightmares” teatral demais (ainda que divertido) nos EUA. Serve entrada, prato principal e sobremesa com dois ingredientes: carisma e autenticidade.

A autenticidade, no caso de Erick Jacquin, tem menos a ver com personalidade e mais a ver com trajetória. Hoje, ele é dono de alguns restaurantes – o Ça-Va, recuperado no episódio da última terça-feira, é o mais novo da lista – e muitíssimo bem-sucedido no campo publicitário. Até a chegada do “Masterchef” à Band, era um chef sufocado pelas dívidas do La Brasserie. Quem viveu um pesadelo sabe recepcioná-lo.

Há quem assista o “Pesadelo na Cozinha” esperando revoluções culinárias e jogadas financeiras dignas do lobo de Wall Street. O Brasil não tem essa cultura – respeitar isso é outro mérito do show. A graça é o freezer desligado de madrugada. A ação e a reação.

***

A Band está exibindo os episódios da terceira temporada do “Pesadelo na Cozinha” às terças-feiras, exatamente no horário do BBB 21. Resultado: o conteúdo, que atingiria 5 ou 6 pontos de média em um dia qualquer, está estacionado na faixa dos 2 pontos. Os diretores de programação das concorrentes da Globo merecem uma medalha da família Marinho.

Mais Lidas