Jair Bolsonaro precisa chutar a bunda dos aloprados que agridem gays e negros em seu nome

Jair Bolsonaro perdeu, desde o fim do primeiro turno, três boas oportunidades de condenar energicamente os militantes que saem por aí agredindo mulheres, gays e negros.

Soa incoerente um candidato com posições tão explícitas sobre ordem social e segurança pública justificar ataques praticados em seu nome com o argumento "não tenho controle sobre meus eleitores".

Pouco importa se a grande imprensa cobre ou deixa de cobrir os ataques orquestrados por esquerdistas. A questão, no caso bolsonarista, tem um quê filosofal. Político que deseja prender bandido não pode ser associado a bandido. E quem agride outrem por causa de cor, gênero ou raça é isso: bandido.

Bolsonaro não precisa do eleitorado fascista para vencer. Fechar a tampa do bueiro é questão de saúde pública.