Conecte-se conosco

Televisão

O jornalismo “ouvi dizer que”

Nota da coluna Zapping, do jornal Agora:

“Foi só a Globo anunciar a rescisão de contrato com William Waack, acusado de racismo após o vazamento de um vídeo em que falava expressões como “coisa de preto”, para o mercado de televisão começar a especular sobre o futuro do jornalista. No SBT, há quem diga que Silvio Santos em breve deve fazer uma proposta para que ele assuma a vaga de Joseval Peixoto no “SBT Brasil”. A ideia conta com a simpatia de Rachel Sheherazade, que já defendeu o âncora publicamente. Danilo Gentili também mostrou interesse em tê-lo como entrevistado”.

Especulações são bem comuns no mercado televisivo, mas para tudo há limite. O SBT está enxugando o quadro de apresentadores de telejornal. A saída de Joseval foi decidida meses atrás e amplamente repercutida na coluna de Flávio Ricco. Não há brecha para substituições.

O “há quem diga” é outro clássico do jornalismo de bastidores. Quem, no dia 22 de dezembro, estava traçando estratégias para contratar William Waack? E quem poderia imaginar que a Globo anunciaria publicamente a rescisão contratual quase na véspera do Natal?

Danilo Gentili não manifestou, nenhuma vez, a intenção de entrevistar William Waack. A ligação dos nomes, na verdade, parece um exercício de má-fé. Um jeito tacanho de associar o comediante a uma personalidade de reputação baixa. Rachel Sheherazade, sim, tem simpatia pelo colega de trabalho. A influência dessa simpatia na abertura da negociação? Nenhuma.

William Waack nunca trabalhará no SBT? Não sei. Até aqui, não há evidência alguma. Só chutes da imprensa “ouvi dizer que…”.

Mais Lidas