RSS

teleguiado.com

Quando o governo é patrão e cliente

A publicidade movimentou R$ 129,9 bilhões em 2016, segundo o Ibope. 3,4% desse robusto investimento, combustível das mídias impressas e eletrônicas, saíram dos cofres públicos. Quase o dobro do dinheiro consumido pelas fabricantes de cerveja, que travam uma disputa intensa de mercado.

Serviço público de comunicação é, em qualquer país civilizado, sinônimo de prestação de contas. Só no Brasil é sinônimo de multiplicação de contas. Prefeitos, governadores e presidentes – de todas as épocas e correntes – gastam dinheiro demais divulgando programas sociais ordinários, taxas de juros de bancos públicos e produtos de quinta categoria de estatais que inexplicavelmente não foram extintas quando os militares deixaram o poder.

A relação entre os veículos de comunicação e seus anunciantes é naturalmente conflituosa. Semanas atrás, quando SBT, Record e RedeTV! deixaram de ceder seus sinais para NET, SKY e Claro, o “Jornal da Band” exibiu uma longa matéria a favor das operadoras de TV por assinatura. Quem está no rol de anunciantes do “Jornal da Band”? Uma das operadoras envolvidas na pendenga com SBT, Record e RedeTV!.

A influência dos anunciantes está diretamente relacionada à qualidade do nosso capitalismo. O Brasil ocupa a 140ª no ranking das economias mais abertas do mundo. Até a China, governada pelo partido comunista, e o possante Tadjiquistão estão na nossa frente. Temos poucas empresas no mercado. E pouquíssimas empresas capazes de comprar espaços na TV. As fabricantes de brinquedos, por exemplo, têm capacidade de investimento, mas não podem vender nada porque os institutos alana da vida decidiram por nós. Quem ocupa esse espaço?

De 2000 para cá, o gasto publicitário do governo federal, maior de todos os paquidermes, cresceu substancialmente. FHC, Lula e Dilma aproveitaram a máquina para atormentar humoristas, jornalistas e pressionar empresários. O tucano relata, com orgulho, as conversas com Octávio Frias de Oliveira, publisher da Folha, na série “Diários da Presidência”. Boris Casoy, âncora há 30 anos, compara o PT à ditadura. Não é ideologia. É oportunismo.

Michel Temer não é melhor político que FHC, Lula e Dilma. Nem tem chances de vencer a eleição de 2018. É, porém, o mais familiarizado com a máquina. Com a reforma da previdência em xeque, arrumou duas entrevistas na TV aberta para pontificar sobre as belezas da nova regra da aposentadoria. Com certeza vai arrumar mais duas. Ou três. Basta querer.

Ou amadurecemos e entendemos, de uma vez por todas, que a ingerência estatal fica ainda mais perigosa quando as fontes de financiamento são escassas ou teremos gente bem pior pontificando sobre regras bem mais dramáticas daqui dois anos.

Leia também

  • Sou anarcocapitalista, também, chamado de libertário. https://uploads.disquscdn.com/images/94365a68586a1b2d72d326958397047a2dffc600f0fe12ea8ac8a175dbde487b.jpg

  • JohnNoArms

    Só um detalhe, os picaretas no caso das emissoras que foram retiradas da TV paga são o SBT, a Record e a RedeTV, não a Band e a Claro. Depois que não conseguiram extorquir as empresas de TV por assinatura, os três canais passaram a usar os próprios artistas em campanhas durante a programação para ludibriar o telespectador. O pior de tudo é que para o azar deles a coisa parece não ter surtido efeito, além de caírem na audiência, muita gente passou a reclamar da atitude das emissoras, que queriam cobrar um valor absurdo por um sinal que já é aberto.

Compartilhe esta notícia