Conecte-se conosco

Cinema

“A Noite do Jogo” é uma comédia generosa

Dirigido por John Francis Daley e Jonathan Goldstein, roteiristas de “Homem Aranha: De Volta ao Lar”, “A Noite do Jogo” tem a mesma atmosfera de comédia de ação repleta de personagens carismáticos e zelosos. Sem nunca apelar ao sentimentalismo, as boas relações entre os personagens ajudam a criar um senso de humor inocente e bobo, no bom sentido.

Jason Bateman e Rachel McAdams interpretam Max e Annie, um casal competitivo, obcecado por jogos e charadas com amigos, tentando engravidar do primeiro filho. Max, no entanto, está nervoso com o retorno do irmão Brooks (Kyle Chandler), uma versão mais atraente e bem sucedida dele mesmo.

Seria fácil imaginar, na concepção do roteiro, a possibilidade de Annie ser seduzida por Brooks, criando um conflito cômico à la Woody Allen com Max, mas não é o que acontece. Annie percebe que Brooks faz de tudo para depreciar o irmão e decide apoiar o marido. O bom clima do casamento, e das amizades daqueles participam dos jogos do casal, serve como um trampolim para piadas que nunca dependem de acidez ou crueldade, e nem por isso são menos engraçadas.

Para animar a noite, Brooks contrata um serviço de entretenimento em que um de seus convidados é “sequestrado” e os demais tem de adivinhar seu paradeiro com base em uma série de pistas. Antes mesmo da brincadeira começar, homens invadem a casa e sequestram Brooks de verdade, mas todos pensam que é parte da encenação.

Coordenada pelo dublê Steven Ritzi (de “Looper”, “Jack Reacher”, “RED”, entre outros), a luta de Brooks com os criminosos percorre quase toda a casa e utliza armas, facas, panelas, cadeiras e uma mesa de vidro bastante resistente. “A Noite do Jogo” gosta de brincar com clichês de filmes de ação, tornando a comédia ainda mais absurda.

Filmada com estilo pelo diretor de fotografia Barry Peterson (“Zoolander”, “Anjos da Lei” etc.) e com um orçamento de apenas US$ 37 milhões, “A Noite do Jogo” foi uma das boas surpresas de 2018, gerando cerca de US$ 68 milhões na bilheteria doméstica e, até o momento, mais de US$ 113 milhões no mundo todo.

Além de Jason Bateman e Rachel McAdams – um pouco subutilizada, considerando seu talento humorístico no clássico “Meninas Malvadas” – os destaques vão para os atores Jesse Plemons e Billy Magnussen, que interpretam Gary e Ryan (e que também trabalharam juntos em “USS Callister”, episódio marcante da série “Black Mirror”).

Gary é o vizinho esquisito de Max e Annie. Deprimido desde a separação de sua esposa, ele não é mais convidado às noites de jogos do casal. Ryan é um amigo tonto e superficial, interpretado por Magnussen como se fosse uma versão masculina dos personagens mais ingênuos de Marilyn Monroe. Ambos protagonizam algumas das piadas mais engraçadas de uma comédia generosa, que dá tempo e espaço para que cada ator tenha o seu momento.

Mais Lidas